Login Rádio Educadora

Você só precisa fazer login para continuar

Audi Morais

Interagir com o chat
Recados do programa SUPER TARDE

Boa tarde Audi estamos ligado aqui na Mate Laranjeiras!!

Postado por Ellen Klos em 16/05/2018 às 15:22h
Programa Super Tarde.

Oi boa tarde Audi. Eu e Cléo estamos em Araucária e estamos curtindo seu programa. A Cléo está mandando bjs pra você e a Su. Parabéns pelo programa. ????abraço pra vocês!

Postado por José Ivan Brechmz em 10/05/2018 às 15:26h
Programa Super Tarde.

Boa tarde estou te assistindo, ta gata em Audi. parabens programa lindo estudio maravilhoso.

Postado por Solange Santos em 10/05/2018 às 15:08h
Programa Super Tarde.

oi Audi mandai oi to na escuta aqui na prefeitura de Virmond Mari

Postado por Marilene Pereira de Lima em 04/05/2018 às 15:43h
Programa Super Tarde.

Boa tarde Audi e todo pessoal da radio, quero homenagear meu marido Jocemar dos Santos (conhecido como neguinho) que hoje está comemorando idade nova.. manda um abraço pra ele. Quero homenagear meu primo Vando Moreira dos Santos e Bruna Caleffi dos Santos que hoje comemoram mais um ano de vida. Um grande abraço. Maria Helena. Coloca eles no sorteio do aniversario da semana ^^ se estiverem ainda com a promoção do sorteio nas sextas hehehehe pra comermos o bolo tudooo junro ao som da radiooo educadora a melhor ^^ :D

Postado por Maria Helena em 02/05/2018 às 15:37h
Programa Super Tarde.

Está tocando agora SUPER TARDE

Com Audi Morais até às 16:59h

Menu

Brasil negocia cota maior para aço com os EUA

Internacionais

Em 02/05/2018 às 08:24 hrs

78 visualizações

Segundo fontes do governo, essa é uma das poucas alternativas que restam, depois que os americanos colocaram apenas duas alternativas sobre a mesa: cota ou sobretaxa

© DR© DR

O governo brasileiro avalia negociar com os Estados Unidos alterações no cálculo das cotas de exportação de aço e alumínio para diminuir prejuízos ao comércio por causa das sobretaxas de 25% sobre o aço e de 10% sobre o alumínio anunciadas em março. Segundo fontes do governo, essa é uma das poucas alternativas que restam, depois que os americanos colocaram apenas duas alternativas sobre a mesa: cota ou sobretaxa.

As duas opções são consideradas ruins pelo governo e pelo mercado. A cota é uma forma de limitar as exportações estabelecendo volumes máximos a serem embarcados para os EUA. Já a sobretaxa eleva o valor pago pelo importador americano, o que pode inviabilizar as vendas para aquele mercado. O Brasil vinha defendendo, nas negociações, que não deveria sofrer nenhum tipo de restrição no comércio dos dois produtos. O principal argumento é que 80% do aço exportado para os EUA é semiacabado, ou seja, insumo para a indústria local. Os negociadores vinham nessa queda de braço até que, na última sexta-feira, os americanos avisaram que não havia mais tempo para negociação e que o País precisaria escolher entre cota ou sobretaxa. No fim da noite de segunda-feira, quando terminou o prazo dado por ele próprio para a conclusão das negociações com os países afetados pela sobretaxa, o presidente Donald Trump disse que havia fechado um acordo "em princípio" com o Brasil e que seriam necessários mais alguns dias para negociar detalhes.

Muito provavelmente, Trump se referia às cotas que eles propuseram ao Brasil e sobre as quais não tiveram resposta positiva. Mas, fora desse cardápio, aparentemente não há muitas opções, admitem fontes. Uma possibilidade seria questionar a medida norte-americana na Organização Mundial do Comércio (OMC). Não há decisão de governo quanto a isso.

"Precisamos esperar para ver como fica", disse ontem ao Estado o presidente da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), Milton Rego. Ele confirmou que havia as duas opções sobre a mesa, mas não está seguro sobre o que acontecerá, agora que os Estados Unidos decidiram prorrogar o prazo das negociações.

No caso do setor de alumínio, a proposta americana era uma cota baseada na média das exportações dos últimos cinco anos. Esse volume, disse o executivo, não é suficiente nem para cumprir as vendas que já foram contratadas para este ano. Além disso, a cota proposta por eles é do tipo "hard", além da qual não se pode exportar mais nada. Por isso, segundo fontes, o setor tendia a optar pela sobretaxa. Rego não confirmou. Ele prefere esperar para ver se haverá alguma alteração na proposta americana.

Posição

Para o aço, a sobretaxa de 25% praticamente inviabiliza as vendas, segundo declarou várias vezes o presidente executivo do Instituto Aço Brasil, Marco Polo Mello Lopes. A entidade só deve se posicionar sobre o caso hoje. Também hoje, os ministérios das Relações Exteriores e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços deverão divulgar nota conjunta.Fontes ligadas ao governo informaram que, no caso dos produtos siderúrgicos, as cotas serão calculadas sobre a média exportada de 2015, 2016 e 2017, anos que foram ruins para o comércio exterior. Ou seja, são cotas baixas.

É nesse ponto que os técnicos acreditam haver espaço para negociação. Enquanto o Brasil ainda avalia o que fazer, a Argentina anunciou haver alcançado um acordo definitivo com os Estados Unidos, segundo o jornal Clarín. Ela ficará livre das sobretaxas, mas observará cotas para suas exportações. Porém, diferente do que ocorreu com a Coreia, que aceitou cotas cujo resultado foi um corte nas vendas de 30%, a Argentina diz ter conseguido uma cota de 180 mil toneladas de aço, 35% superior à média dos últimos três anos. Para alumínio, serão 130 mil toneladas, o que corresponde à média dos últimos três anos.

Com informações do Estadão Conteúdo.

Fonte: Notícias ao Minuto

Tags:

Seja o(a) primeiro a comentar!

Enviando Comentário Fechar :/

Está tocando agora SUPER TARDE

Com Audi Morais até às 16:59h