Login Rádio Educadora

Você só precisa fazer login para continuar

Programação Educadora

Interagir com o chat
Recados do programa TOP 10 - FELIPE KAPLAN

Está tocando agora TOP 10 - FELIPE KAPLAN

Menu

Eurocâmara reclama ‘suspensão imediata’ de eleição presidencial na Venezuela

Internacionais

Em 03/05/2018 às 08:33 hrs

128 visualizações

A Eurocâmara pediu, nesta quinta-feira (3), a “suspensão imediata” da eleição presidencial na Venezuela

(1º mai) Maduro discursa para partidários em Caracas - AFP/Arquivos(1º mai) Maduro discursa para partidários em Caracas - AFP/Arquivos

A Eurocâmara pediu, nesta quinta-feira (3), a “suspensão imediata” da eleição presidencial na Venezuela em 20 de maio, ao considerar que a mesma não reúne as condições necessárias para eleições “livres, confiáveis, transparentes e inclusivas”.

“Nas circunstâncias atuais, o Parlamento Europeu não pode reconhecer as eleições que resultem desse processo ilegítimo”, alegam os eurodeputados em uma resolução aprovada por 492 votos a favor, 87 contra e 77 abstenções.

As eleições são rejeitadas pela coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) e por parte da comunidade internacional, incluindo Estados Unidos e União Europeia (UE), por considerar que não oferecem garantias de transparência.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que aspira à reeleição, minimizou na quarta-feira a importância de um eventual reconhecimento por parte da UE e dos Estados Unidos.

“Que c… me importa, se o nobre povo da Venezuela me reconhece?”, afirmou durante um comício.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, pediu na quarta-feira um calendário eleitoral “acordado” e “concreto” na Venezuela para possibilitar eleições “livres e justas”.

Em um artigo publicado no jornal espanhol “El País”, Maduro afirmou que o processo eleitoral será “limpo e modelo”.

Os eurodeputados recordam em sua resolução, estimulada pelas bancadas conservadora e liberal, que apenas reconhecerão eleições “baseadas em um calendário eleitoral viável, acordadas no contexto do diálogo nacional com todos os personagens e partidos relevantes e com condições de participação equitativas”.

A Eurocâmara, que em 2017 concedeu o prêmio Sakharov de direitos humanos à oposição venezuelana, pediu ainda a libertação dos presos políticos e uma composição equilibrada do Conselho Nacional Eleitoral.


A presidente do CNE, Tibisay Lucena, é objeto de sanções europeias.

Em novembro, os 28 países da UE aprovaram o primeiro pacote de sanções, que consiste em um embargo de armas e de material que poderia ser usado na repressão interna. Em janeiro, as medidas foram ampliadas, com sanções como a proibição de vistos para sete funcionários importantes do governo venezuelano.

 

Fonte: TERRA ISTOÉ

Tags:

Seja o(a) primeiro a comentar!

Enviando Comentário Fechar :/

Está tocando agora TOP 10 - FELIPE KAPLAN

Com Programação Educadora até às 00:59h