Login Rádio Educadora

Você só precisa fazer login para continuar

Tiago Almeida

Interagir com o chat
Recados do programa: Manhã 103

Audi toca a música pra ser feliz Daniel pra ári joce natália sthefany. Tão ouvindo vc n kiosque amorin alimentos Obrigado se for atendido

Por Jucelene Mich em 06/12/2019 às 15:31h
Programa Super Tarde

bom dia sou tiao camargo sou dai dessa cjdade linda mais estou morando em palhoça sc e escuto todos os domingo todos os programa muito bom pesso uma musica bem boa e ofereço para todos os parente que morao ai abraços

Por Tião Camargo em 01/12/2019 às 11:16h
Programa Prosa e Gaitaço

Olá demora muito pra ler os recados que mandei

Por Evandro Mancio em 01/12/2019 às 09:29h
Programa Bolicho do Galizé

Bom dia Sou Evandro de Barra do Turvo /SP quero concorrer minha filha estuda aí esta cidade maravilhosa e hospitaleira minha filha e Sthefany meu fone e 15996251359.

Por Evandro Mancio em 01/12/2019 às 08:51h
Programa Bolicho do Galizé

Bom dia Celso júnior estamos aqui no mato grosso ouvindo a educadora .manda um abraço pro amigo Dinho e para meus parentes aí lá da Vera Cruz e rio lambedor o antoninho

Por Tadeu Gawlik em 30/11/2019 às 07:02h
Programa Festa na Roça

Bom dia Zé Aqui é o neilon Romaniwe, estamos em Laranjeiras a passeio. Peço a música com Luis marenco , quando o verso vem pras casas Ofereço para prima Elizabeth e primo Jeferson .

Por Marlene Romaniw em 24/11/2019 às 12:44h
Programa Prosa e Gaitaço

e ai ze morais parabens pelo programa manda fundo da grota aki p turma da tributaçao osvaldo valdemir maurinho e para mim celso.

Por Tributacao RI Tributos em 18/11/2019 às 17:05h
Programa Paradão 103

e ai ze morais parabens pelo programa manda fundo da grota aki p turma da tributaçao osvaldo valdemir maurinho e para mim celso.

Por Tributacao RI Tributos em 18/11/2019 às 16:56h
Programa Super Tarde

curtindo a educadora em porto alegre, grande abraço ao povo de laranjeiras.beijos saudade do meu filho luciano e esposa joice fabricio...

Por Marco Oliveira em 12/11/2019 às 16:17h
Programa Super Tarde

Bom dia ... Aldo por cá. Curtindo vc talle juntamente com a família aqui na linha Pechinsk.... tudibão

Por Aldo Santos em 11/11/2019 às 10:14h
Programa Super Manhã

Boa Tarde - Gottardo de Chopinzinho - Toca uma do Jão Carreiro Pra nós Ouvir...

Por Endrei Gottardo em 07/11/2019 às 13:31h
Programa Tarde Sertaneja

Bom dia Zé mande a musica galo rocho pro Antoninho Aqui do morro verde tamo na escuta

Por Eduardo Oliveira em 27/10/2019 às 12:50h
Programa Prosa e Gaitaço

bom dia romanini programa show

Por Vanderlei Adelio Voiski em 26/10/2019 às 08:06h
Programa Estação 103

bom dia achei q ja tava no paraguai o programa ta show

Por Vanderlei Adelio Voiski em 26/10/2019 às 07:36h
Programa Festa na Roça

boa tarde sou do guarai estou ouvindo manda um abraco a todos do guarai e uma musica bem boa

Por Marines Knob em 25/10/2019 às 13:25h
Programa Tarde Sertaneja

Está tocando agora Manhã 103

Com Tiago Almeida até às 09:59h

Menu

Queijo de Chopinzinho entre os melhores do mundo

Agricultura Familiar

Em 15/08/2019 às 07:59 hrs

402 visualizações

Realizado no último sábado (10), em Araxá (MG), o concurso contou com a participação de mais de 900 produtores de vários estados brasileiros e também de outros países, como Austrália, França e Itália

Queijo de Chopinzinho entre os melhores do mundo Queijo de Chopinzinho entre os melhores do mundo

Com alguns anos de muito trabalho, Claudemir Roos e Cleunice Kurpel de Andrade, de Chopinzinho, já conseguem colher os frutos dessa caminhada. O casal, que reside na comunidade de Mato Branco, resolveu ingressar no ramo de queijaria em 2012. No último

sábado (10), eles, que são proprietários da “Queijaria São Bento”, foram contemplados com a medalha Prata no Mundial Queijo Brasil 2019.

Realizada, em Araxá (MG), a iniciativa, em sua primeira edição, foi promovida pela associação sem fins lucrativos SerTãoBras — que defende a legalização do queijo de leite cru e a valorização do pequeno produtor rural — e pela Guilde Internationale des Fromagers, da França. Conforme o comissário geral do concurso, Élvio Rocha de Oliveira Sobrinho, foram 956 produtores candidatos, tanto de vários estados brasileiros, como também de outros países, como Austrália, França e Itália.

Os queijos foram avaliados em duas etapas. “Na primeira, foram julgados em mesas divididas por categorias de famílias tecnológicas de fabricação, segundo o regulamento. Na segunda etapa, o melhor queijo de cada mesa foi julgado novamente, no auditório do Cine-Teatro Tiradentes, no primeiro pavimento do hotel. Foi eleito o melhor queijo do concurso diante do público”, explica o site oficial do evento.

Os jurados avaliaram os quesitos: aparência, textura, sabor e aroma; sendo que os melhores receberam diplomas (medalhas de Super Ouro, Ouro, Prata e Bronze), conforme as suas pontuações. Além disso, os vencedores terão direito à utilização da logomarca do concurso na embalagem dos seus queijos.

Categorias

Ao todo, o concurso contou com 34 categorias, distribuídas entre “Leite de vaca”, “Leite de cabra”, “Leite de ovelha”, “Leite de búfala”, “Todos os tipos de leite”, “Especialidades queijeiras e criações” e “Queijos de Kefir”.

Dentro da produção de “Leite de vaca”, havia 14 categorias. Claudemir e Cleunice se inscreveram em duas: na Categoria 106, que consistia em Queijo de massa mole e casca lavada (tipo livarot, époisses); e na Categoria 107, que era a Massa prensada não cozida (tipo queijo minas artesanal, saint-nectaire).

Conforme o casal, eles foram premiados com “Prata” na categoria 106, que também é conhecido como “meia cura”. A queijaria do interior de Chopinzinho foi a única contemplada do Sudoeste do Paraná no concurso. Houve também outro produtor paranaense, na “Super Ouro”, mas de outra região.

História

Claudemir Ross e Cleunice Kurpel de Andrade são filhos de pequenos agricultores. Viveram durante as suas infâncias nas áreas rurais de São João e de Coronel Vivida, respectivamente. Claudemir, quando adolescente, resolveu fazer o curso Técnico em Agropecuária. Após se formar, em 1990, passou a atuar como técnico na cooperativa Coasul, em Chopinzinho, dentro de um projeto voltado à pecuária leiteira, onde supervisionava, com outros cinco profissionais, a qualidade do leite nas propriedades dos associados.

“Nesse projeto de fomento, tive a oportunidade de adquirir muito conhecimento. Inclusive, durante um período, houve uma parceria com um grupo de franceses, que nos auxiliaram com conhecimento, formação de dietas, e conseguimos estender isso às propriedades. Com isso, aprendemos o quanto é importante um equilíbrio na dieta para se ter um produto final — o leite — com qualidade”, explica.

Com esse trabalho desenvolvido na cooperativa, entre 1992 e 2003, despertou a iniciativa no produtor em atuar nessa atividade. Casou com Cleunice e foram residir na propriedade da família da agricultora, no interior de Coronel Vivida.

A princípio, o casal trabalhava com a produção de leite, vendendo para um laticínio vividense. Devido a vários fatores, eles decidiram mudar de ramo por um ano, com atividade de suínos, porém, após esse período, resolveram voltar e adquiriram a propriedade de 4,2 alqueires, na comunidade de Mato Branco, às margens da BR-158, em Chopinzinho. “Chegamos a Mato Branco em janeiro de 2012. Não tínhamos dinheiro para construir a casa, ficávamos acampados, com muitas dificuldades. Mas, com muito trabalho, começamos a fabricar queijo e fomos conquistando as nossas coisas”, conta Cleunice, acrescentando que dois, dos quatro alqueires são de eucalipto.

Para começar a produção queijeira, o casal adquiria leite de dois produtores e comercializava as peças de porta em porta. Contudo, Cleunice e Claudemir passaram a observar que a qualidade do produto não era padronizada, devido à matéria-prima. “Comprávamos 30 litros. Nós dois fazíamos o queijo na cozinha mesmo. Comecei ali a criar alguns tipos de queijos, depois passamos a comprar 50, 100 litros por dia. Mas não dava o resultado que queríamos; o queijo não ficava tão bom”, conta a produtora.

Assim, “fizemos o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e, com esse crédito, conseguimos aumentar nosso negócio aos poucos, compramos três vaquinhas e produzimos a matéria-prima do jeito que queríamos. Como Claudemir tinha todo o conhecimento em assistência técnica e com gado de leite, fomos ajustando a dieta. Já o conhecimento que eu tinha em queijo, no começo, era o básico que aprendi com a família. Produzíamos duas a três peças por dia naquele tempo”, acrescenta.

Atualmente são 16 animais em ordenha e a produção é de 300 a 350 litros de leite por dia — o rebanho é misto, composto por raças Holandesa, Jersey, Jersolanda e Pardo Suíço. “O crescimento dos derivados foi gradativo, sempre ia explorando e fazendo novidades, porque gosto de criar. Fui descobrindo os tipos de queijos e sabores, analisando os resultados. Hoje, produzimos mais de 15 derivados, como queijos colonial, tradicional, coalho, meia cura, amanteigado, temperado; além de nata, doce de leite, ricota e doce de leite”, enumera a produtora.

No começo, somente os dois trabalhavam na produção. Hoje são em sete pessoas. O casal trabalha nas vendas — feitas de porta em porta ou na própria queijaria na propriedade —, no administrativo e na fiscalização; dois cuidam das vacas e do leite; duas funcionárias são responsáveis pela produção; e outra funcionária atua na residência da família, anexa à queijaria e que está começando também na agroindústria, que tem o Serviço de Inspeção Municipal (SIM).

Prêmio

Essa é a segunda vez que a queijaria participa de um concurso — o primeiro foi promovido pelo Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), no ano passado. “A Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) de Francisco Beltrão está fazendo um trabalho de pesquisa em relação ao queijo de leite cru. E eu participei de um curso, com um módulo de quatro meses. Com isso, formamos um grupo de queijeiros da região Sudoeste. E aí surgiu a oportunidade de participar do Mundial Queijo Brasil 2019, para que tivéssemos ideia de como estaríamos diante do cenário nacional de queijos artesanais. Mesmo com muita modéstia e falta de coragem praticamente, nos sentimos da obrigação de participar. Escolhemos dois queijos, que não foram preparados exclusivamente para o concurso. E enviamos para concorrer em duas categorias. Na noite de sábado soubemos que fomos classificados com a premiação ‘Prata’. Nos sentimos muito orgulhosos com essa novidade”, comemora Roos.

De acordo com Cleunice, o queijo premiado precisa de 30 a 40 dias para curar e estar pronto para consumo. Assim, foi produzido no mês de junho. “Essa premiação, esse selo que recebemos é muito mais importante do que qualquer dinheiro que pudéssemos ganhar. Isso é motivação pura para prosseguirmos e melhorar cada vez mais. E inspirar muito mais produtores, que estejam desanimados, pois sonhando e correndo atrás é possível realizar”, declara a produtora, finalizando que o céu é o limite.

Além da realização da SerTãoBras e da Guilde Internationale des Fromagers, da França, o evento contou com a correalização e promoção do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Instituto Antonio Ernesto de Salvo (Inaes) e Sindicatos.

Fonte: Diário do Sudoeste

Seja o(a) primeiro a comentar!

Enviando Comentário Fechar :/

Está tocando agora Manhã 103

Com Tiago Almeida até às 09:59h